5 tendências de comunicação para o futuro (bem próximo)

Em entrevista ao site ADM News, Guilhermo Benitez, sócio-diretor da agência de PR Engaje! participou do EducaTrends 2016 no Vale do Silício e contou sobre algumas tendências que viu por lá. Entre tantas coisas que ele relatou, separamos e resumimos 5 tendências para o futuro da comunicação relatadas por ele nessa jornada.

Alerta de spoiler: tudo que ele descobriu por lá, já falamos por aqui, no blog da Frozz – conteúdo, mobile, público-alvo, etc…

Confira só!

1) Não existe mais zona de conforto

O profundo inconformismo e uma crença verdadeira na construção de novas soluções são o verdadeiro motor da inovação. Pensar o impensável e, mais importante, fazer com que ele aconteça (este é um dos grandes segredos, o de realizar os projetos mais ambiciosos e aparentemente impossíveis, dando a cara para bater e errando muito até acertar).

2) O público é o protagonista

A internet e as mídias sociais não democratizaram apenas o acesso à informação elas Elas mudaram o polo e tiraram o protagonismo das marcas, empresas e gestores. Startups vencedoras e projetos de sucesso são construídas em torno do público. Campanhas e mensagens precisam ser pensadas a partir do público final. Devem ser desenhadas a partir de seu ponto de vista. Devem ser testadas e melhoradas continuamente.

3) Conteúdo (agora em vídeo)

O crescimento das ações digitais e a padronização de temas e campanhas é uma realidade. Tanto Facebook quanto Google expuseram que a capacidade de gerar conteúdo relevante e diferenciado é hoje uma das grandes estratégias vencedoras na comunicação. O vídeo, segundo o Twitter, é o formato do futuro (ou do presente). Hoje, os tweets com vídeos têm engajamento seis vezes maior do que os com fotos.

4) O futuro está no conhecimento

Informação não é mais poder. Hoje o grosso da informação está livre, de graça, espalhada na web. As mais modernas instituições de ensino dos EUA focam na capacitação de habilidades cognitivas, como o pensamento crítico, o trabalho em grupo, a comunicação e a globalização. Na mídia, a análise e as histórias ganham força sobre o dado em primeira mão. Todos temos acesso ao ‘o que’, ‘quem’, ‘quando’ e ‘onde’. As perguntas que precisam ser respondidas são o ‘como’ e o ‘por que’.

5) Mobile vira mundo paralelo com a realidade virtual

Se o amanhã será da cocriação, da evolução contínua, da velocidade, o hoje é do mobile. Os smartphones já são predominantes no acesso a conteúdo digital (ou seja, mídias sociais, web, música, notícias, games, esportes, shows, filmes, séries…). E, com os novos aplicativos de realidade virtual que estão sendo aperfeiçoados, vão permitir experiências cada vez mais reais. Já passou o tempo de mudar o foco para o mobile e centrar nele a estratégia de comunicação. Enquanto robôs se sofisticam e assumem funções humanas de menor valor agregado (vimos uma máquina que atende clientes e busca produtos numa loja de ferragens da Califórnia), o desafio aos humanos é redefinir seu papel e sua maneira de pensar.